segunda-feira, 24 de setembro de 2007

Guardem dinheiro!




Pois é, estamos muito perto de concluirmos o DVD. Acabei de ver a versão final do filme e fiquei muito satisfeito com o resultado. Auxiliei também na realização dos Menus e o que está faltando é colocar tudo para funcionar, prensar o DVD e mandar bala. Acredito que até o final de Outubro a Presto já estará com tudo pronto.

No DVD, além do Fazendo as Regras vamos ter mais duas sessões: Bônus & Extras.

No Bônus vocês poderão conferir os filmes “Jim Morrison” que foi lançado no You Tube e o inédito “Harvest of Sorrow” que foi gravado e feito nos mesmos moldes do “Jim Morrison”. O Conto “Harvest of Sorrow” foi o primeiro que publiquei no antigo Blog.

Na parte de Extras além do Trailer que foi lançado no You Tube, teremos uma galeria de fotos da filmagem e um divertidíssimo Making Of.

Então é isso. Aguardem que em muito em breve o DVD cheio de sexo, drogas e rock and roll para malucos de todas as idades acima de 18 anos.





segunda-feira, 17 de setembro de 2007

Pneumoultramicroscopicossilicovulcanoconiose

Eu estava navegando de bobeira quando apareceu essa figura no meu MSN:

- Opa, você é o Vic?

- Sim.

- O Viciado Carioca?

- Eu mesmo.

- Do blog “Viciado Carioca”.

- E você acha que tem outro? Quem é você?

- Desculpe pela insistência é que eu queria ter certeza.

- Ok. Agora você já tem. Quem é você?

- Você não me conhece, mas eu sou um grande admirador do seu trabalho.

- Ah, sim. Obrigado.

- Eu gosto dos seus textos, a forma que você descreve as situações e adoro aqueles contos malucos.

- Obrigado. Valeu mesmo.

- Mas...

- Mas o que?

- Nada... deixa pra lá.

- Agora fala.

- É que eu acho que de vez em quando falta alguma coisa.

- Como assim “falta alguma coisa”?

- É. Falta um pouco de cultura.

- De cultura.

- Pois é. Eu acho que alguns textos são muito superficiais.

- Essa é boa...

- Você tem talento. Acho que te falta é um pouco de orientação.

- E você é quem vai dar essa orientação.

- Bem, já que nós estamos aqui....

- Sei. Sei. E o que você sugere?

- Eu acho que você deve dedicar mais tempo em pesquisas antes de escrever algo. Sugiro que você freqüente o Wikipédia. Existem muitas coisas interessantes lá. Você já conhece?

- Claro que conheço. Quem não conhece o Wikipédia...

- Pois então. Agora mesmo eu estou olhando uma curiosidade que você poderia usar em seus textos.

- Hum?

- Pneumoultramicroscopicossilicovulcanoconiose.

- O que?

- Pneumoultramicroscopicossilicovulcanoconiose é a maior palavra da língua portuguesa.

- Pensei que fosse incostitucionalicimamente.

- Pois é, muita gente acha que é incostitucionalicimamente. Ela só é a mais famosa. Se você freqüentasse mais o Wikipédia saberia que na verdade a maior palavra da língua portuguesa é Pneumoultramicroscopicossilicovulcanoconiose.

- Tá, e daí? Eu nem sei o que essa porcaria significa.

- Não sabe porque não visita o Wikipédia! Se visitasse saberia que Pneumoultramicroscopicossilicovulcanoconiose é uma doença rara causada pela aspiração de microscópicas partículas de cinzas vulcânicas.

- Tá cara. Foda-se. Eu não quero saber dessa inutilidade.

- Mas tem outras coisas interessantes no Wikipédia. Você sabia que o faro do cão é cerca de quarenta vezes superior ao do olfato humano? Você poderia usar isso em algum conto. O Wikipédia está cheio dessas coisas interessantes e você pode utilizá-las para enriquecer os seus textos.

- Talvez depois eu vá lá dar uma olhada....

- Não deixe para depois o que você pode fazer agora! O Wikipédia só está a um clique de distância e possui mais de 285 mil artigos em português que podem te ajudar!

- Posso te perguntar uma coisa?

- Claro. Se eu não souber a resposta, o Wikipédia saberá. Você sabia que na versão em inglês eles têm mais de 2 milhões de artigos? É incrível!

- Você não é leitor coisa alguma. Você é um divulgador do Wikipédia. Eu não estou certo?

- Bem....

- Ah, seu filho da puta!

- Não me leve a mal, amigo. Eu era vendedor da Barsa mas com esse lance de internet eu fiquei sem emprego. Daí esses caras da Wikipédia me contrataram para dar uma alavancada nas visitas. Eu procuro donos de blogs e os convenço a usar mais a Wikipédia. Me ajuda aí. Clica em qualquer coisa. Não precisa ser um artigo muito famoso....

- Seu vendedor de Wikipédia desgraçado. Espero que você morra de Pneumoultramicroscopicossilicovulcanoconiose enfiada no rabo.

- Viu. É disso que eu estou falando. Se você acessasse a Wikipédia descobrira uma outra doença interessante para poder me xingar de maneira mais criativa.

- Eu não posso perder tempo com essas palavras gigantescas. Eu sofro de hipopotomonstrosesquipedaliofobia.

- Ah! Você acessou o Wikipédia!

- Não seu imbecil, eu tenho um “Livro dos Curiosos” em casa.

- “Livro dos Curiosos” eu fui vencido pelo “Livro dos Curiosos”! Eu não posso admitir isso....eu estou desconectando........

E foi embora. Que cara babaca. Se ele acessasse mais o Wikipédia saberia que um hipopotomonstrosesquipedaliofóbico nunca poderia escrever hipopotomonstrosesquipedaliofobia.

Por essas e outras que eu odeio esses vendedores de Wikipédia.


UPDATE:

Porra, entro no Globo Online e vejo que os vendedores de Wikipédia atacaram outra vez. Esses caras são chatos mesmo...



terça-feira, 11 de setembro de 2007

Lá na casa do baralho

Depois de virar filme, meu blog acaba de virar uma carta. Hã? O que? É, pois é, uma carta. O pessoal do Treta, um blog engraçado com quatro furos no meio, criou uma espécie de Super Trunfo com 99 blogs famosos e mais o meu. Simplesmente genial..

Devo dizer que fiquei com o ego bem massageado sendo lembrado e colocado em um deck cheio de cartas de nipes infinitamente superiores a minha. Tudo bem que a minha carta não é nenhum coringa, mas como dizia o meu avô, é melhor ser um dois de paus a ser uma carta fora do baralho.

Porra nenhuma. Meu avô nunca falou isso. A coisa mais inteligente que o meu avô já falou foi “Esse Zagallo é um filho da puta!” depois do vice-campeonato de 1998. De qualquer forma, ele era apenas um velho enrugado e além de um filme, agora eu sou uma carta.




Pois é, quando os professores da faculdade falavam que um comunicador deveria ser multimídia eu duvido que eles estivessem se referindo a isso.

segunda-feira, 10 de setembro de 2007

Teaser Trailer

Vocês devem estar se perguntando em que pé está o filme. Na verdade, eu sei que vocês estão cagando e andando para isso, mas eu estava me perguntando como estava a produção e decidi dar uma ligada para o Cláudio, o magro e não o gordo, na semana passada.

Liguei não apenas por eu ser um cara ansioso. Mas eu estava me sentido meio puta. Os caras aparecem, pagam chope, pegam meu texto, usam e abusam dele e depois nem telefonam. Ora bolas, apesar de tudo eu sou um escritor de família.

Depois de uns dois dedos de prosa descobri que eu sou pé quente. Boa parte da equipe da Presto conseguiu arrumar alguns trampos maneiros nesse tempo. Depois descobri que eu sou pé frio, já que por causa desses trampos, algumas pequenas histórias que estavam programadas para serem filmadas e saírem no DVD, não vão mais acontecer.

Mesmo assim, os Claudios, o gordo e o magro, estão trabalhando para que o DVD fique bem legal. O magro me contou sobre o making of do filme e a edição do Harvest of Sorrow, além, é claro, da edição do próprio Fazendo as Regras.

Para não deixar a galera na expectativa por tanto tempo, ele fez esse Teaser Trailer para diminuir – ou aumentar – a curiosidade de todos nós quanto a nossa grande pequena produção.

Aguardem que em breve eu trarei outras novidades que estarão sempre sob o marcador “Fazendo as Regras”.





segunda-feira, 3 de setembro de 2007

Dichavando

- Poooooooorrrrrrrraaaaaaa, é o Vic! Quem é alcoólatra sempre aparece! É esse mundo louco! A terra gira, mas não sai do lugar!

- Grande Dopa! Queria ser inteligente para poder responder alguma coisa a altura. – Pois é, encontrei o Dopa esse fim de semana. Em todos os aniversários do Lucas acaba acontecendo alguma coisa. Ou eu reencontro alguém, ou alguma coisa louca acontece, ou uma freira abre a porta e manda todo mundo tomar no cú. De qualquer forma, é sempre muito mais interessante do que a Superinteressante. Como nesse Sábado, quando eu reencontrei o Dopado, ou para os íntimos, o Dopa.

Vocês devem ficar um pouco pirados por eu ter o apelido de Viciado Carioca. Ou Viciado. Ou, por mais íntimos, Vic. Talvez vocês conheçam o Dopa pelas baladas do Rio de Janeiro. Ele também é conhecido como Tarja Preta, Mufa, Lomba, Malucão, Cheech, Chong, Cheech & Chong, Hemp, Hempa, Bicho Grilo, Grilo, Bicho, Marley, Macoy, Fumaça, Cabeça, Cabeção, Cabeçudo e Leozinho. Esse último, somente em uma festa de família, quando ele coloca gel no cabelo e penteia escrotamente para o lado.

Como eu estava dizendo, vocês devem ficar um pouco pirados com o meu apelido de Viciado Carioca achando que eu era o grande drogado da minha velha turma. Devo confessar que eu era apenas, digamos, um terceiro lugar. Uma espécie de Rubinho dos drogados. O segundo lugar ficava com o tosco Thor, o Deus do Trovão. A cada noite o malandro conseguia dar mais marteladas em um papel de 10 do que qualquer mortal que já andou por essas terras. Ele era magrinho, loiro e cabeludo e daí o apelido. O primeiro lugar, com certeza, era do Dopa. O Schumacher das drogas. O homem que cheira cachaça quando não tem dinheiro para se drogar (ele me ensinou esse macete). O homem que arrumou uma namorada que fingia ter cólicas monstruosas, que precisava tomar injeção para dor na farmácia, só para roubar os remédios tarjas pretas. Ele se dizia o homem que inventou o chá de fita cassete.

- Puuuuuuuutaaaaa que pariu, Viiiiiiiiiiic! O Cosmo sempre conspira para a união! Esse é o momento histórico desde que o Napoleão arrepiou aquela galera na Europa ou desde que as Torres caíram! Vic, Viquinho Cabeçudinho! Porra, como vai essa força? – Estava claro que ele estava bem feliz em me ver. Eu preferia reencontra uma ex-namorada, já que as chances de fazer sexo iriam ser infinitamente maiores do que com ele. Apesar de eu ter quase certeza que se eu falasse que tinha um papel puro no bolso, o Dopa me pagaria um boquete só para dar uma cafungada.

- Pois é, Dopa. Um momento realmente histórico, apesar do seu grande hiato de comparação.

- Haaaaaaa! Esse é o velho Vic! Com sua inteligência aguçada e suas tiradas loucas! Haaaaaa! Me diz ai, Vic! Tu anda sumidaço! Me falaram que agora você é o maníaco da internet! Escreve pra comer as garotinhas! Esse é o grande lance, não é? Ficar conectado com o mundo! Viajando nas teclas! Viciado Carioca! Viciado Mundial!

- Eu não sei o que te falaram, Dopa. Mas é tudo verdade. Mas eu tenho certeza que nego não contou tudo só para me diminuir. – Vamos lá, não é todo dia que existe alguém tentando fazer eco no vácuo.

- Te diminuir? Nunca! A galera sempre te assombra, velho! Tu é o cara. Tu é o artista. Tu é o messias da galera! Tu é o cara!

- Que isso, Dopa! Se você continuar falando assim, a festa inteira vai querer me dar. E eu só quero comer aquela morena ali. Quem é ela?

-A Luciana? A Lucy? Lucyyyyy in the skyyyyy with diamondssssss. Lucy, venha aqui. Lucy gril. Lucy Friend. Louca Lucy. Crazy Lucy!!!! Lucy, minha amiga, você conhece o Vic? – Eu estava assustado pela garota. Pensei que aquele cabo eleitoral poderia ajudar, mas comecei achar que o tiro iria sair pela culatra.

- Não....prazer....?

- Fica calma, Lucy. Eu sou Vic e estou sóbrio.

- Haaaaaa! Vic sóbrio! Vic é um dos caras mais loucos que eu já conheci! – Eu arregalei os olhos e fiz cara de assustado:

- Dopa, eu não tenho certeza se isso é um elogio..... – Ela riu. Se eu conseguisse usar a loucura do Dopa ao meu favor, talvez aquilo desse certo. Ou eu ia ficar queimado pelo resto da noite.

- Vic deixa de ser humilde. Lembra daquele incenso louco na casa do Tijolo? Nunca vi um cara tão rápido no pensamento. Tão sagaz. Esse é o Vic. O Billy the Kid das sinapses. – Ela ria com o Dopa falando como metralhadora e eu fazendo as caretas de assustado.

- Eu lembro do Tijolo, mas realmente não sei do que você vai falar.

- Claro que sabe, Vic! Nós fumávamos direto na casa do Tijolo. Ele ficava sozinho em casa a tarde e os cabeçudos iam todos para lá fumar. Depois ele acendia um incenso pra dichavar o cheiro e a galera saía fora antes da mãe louca dele chegar.

- É a pura verdade, mas eu ainda não sei onde a história vai chegar. – Eu abri os braços e tentei fazer olhos puros. Eu realmente estava em uma Montanha Russa. Apenas sendo levado e a cada segundo um loop diferente.

- Um dia, a mãe do Tijolo chega mais cedo. A galera viu da janela e apagou a baga rapidão – nesse momento a lembrança caiu na minha cabeça como um raio e eu comecei a abrir um sorriso. Como um louco poderia lembrar daquilo e eu não? – o Tijolo acendeu um incenso para sumir com o cheiro do bagulho, mas a mãe dele já estava em cima e aquilo não ia dar muito certo. – A morena me encarava com olhos perguntando “e depois” e eu verbalizei balançando a cabeça:

- É verdade. A pura verdade.

- A coroa invade o quarto cheia de atitude, mete o dedo na cara de geral e fala “eu sei”. Galera meio que se congela, não fala nada e ela continua com aquele dedo ameaçador e falando “eu sei, não tenta me enganar que eu sei”. E naquele minuto que a galera estava congelada, toda se denunciando, uns malucos já pensando em colocar o flagrante pra fora, Vic manda “O que a senhora sabe?”. Galera petrificada, tipo estátua! Vic com o olhar ameaçador pra cima da coroa e a velha emenda: “Eu sei que são vocês, seus safados, que estão comendo o requeijão todo aqui de casa!”. – Nisso Lucy solta uma gargalhada. E o Dopa continua:

- E sabe o que esse filho da puta faz? Responde pra coroa: “Eu que como o requeijão todo porque eu moro sozinho e não tenho esses luxos em casa! A senhora me desculpe, amanhã eu vou comprar uns três copos de requeijão e colocar aqui!”. E a galera respira aliviada e a coroa dá um suspiro, chega até o Vic e fala: “Meu filho, você pode comer o requeijão, você só tem que lembrar que você está em comunidade e que outros podem querer comer o requeijão também!”. E a galera começa a zoar o Vic por ele ser “O comedor de requeijão”. – E eu complemento:

- Pois é, a galera ficava louca e detonava a geladeira do Tijolo. Ninguém nunca ia imaginar que a mãe dele iria ficar bolada com o desfalque na geladeira e não com a marola.

- O Vic é genial! Lucy, você tá entregue a um cara fantástico! – E o Dopa me abraçou, beijou a minha cabeça e saiu fora. A Lucy ficou me olhando e eu dei de ombros. E ela falou:

- Eu nem sei o que dizer. – E eu respondi:

- Nem eu. – E cheguei até ela e dei um beijo. E cheguei à conclusão que eu gosto mais dos aniversários do Lucas do que os meus próprios aniversários.