quarta-feira, 8 de junho de 2011

Vida de escritor

A maior mentira que alguém pode contar é que o maior problema para um escritor é encarar a página em branco. Para mim, ele está encarando a própria criatividade. Um escritor que diz não ter inspiração para escrever, é para mim um escritor morto. Um ninguém. Ou pior ainda, um ninguém se fingindo de escritor. 

Um escritor escreve e ponto final. Escreve em linhas, escreve em prosa, escreve na mente dele. Escreve certo como os escritores que ganham dinheiro ou escreve errado como eu que sou uma criança brincado de ser escritor. Mas escreve. Um escritor que não escreve, é um cara. Ponto final. Não é um escritor. No máximo, um babaca com idéias interessantes.

Fico bastante puto com os “escritores” que existem por ai. Dizem que encarar uma página vazia é muito difícil. Para mim, o difícil é encarar o teclado. É o ato de escrever em si. É me motivar a bater essas merdas dessas teclas e ter certeza que o que escrevo é alguma coisa. Faz sentido? Faz alguma diferença para alguém? É conversar com o teclado. Isso tudo vale a pena? Será que vou bater em você simplesmente por bater? Para satisfazer uma tara pessoal? No final....que final?....tem final?

Eu sou auto-destrutivo. Eu sou um babaca. Eu sou um merda. Minha vida sempre anda quando eu escrevo e estaciona quando não escrevo. Mesmo assim eu me martirizo toda vez que eu tenho que escrever. Por favor, não estou entrando no julgamento que o que eu escrevo é bom ou ruim. É simplesmente o ato de escrever.



(para mim tudo que escrevo é muito foda, mas quem entende da mesma forma é simplesmente maluco, porque no final eu acho que o que escrevo é apenas merda com atitude e vocês são pessoas que por algum desvio não conseguem entender a pura verdade. É tudo merda!). 

O que sobra? Uma luta insana, absurda e idiota entre eu e eu mesmo. To be or not to be? Mas afinal, essa não é a luta de todos nós? A briga do escritor com os teclados não é a nossa luta para ser o que sempre sonhamos ser? Por todos os motivos que sempre inventamos, deixamos de ser aquilo que queríamos? É certo cobrar de um escritor por ele não escrever se nós mesmos acordamos todas as manhãs e enfrentamos a rotina do dia-a-dia sem a coragem de ser aquela pessoa que gostaríamos de ser? 

Eu pergunto e eu respondo. Sim. É certo. O escritor não tem essa escolha depois que ele decidiu o caminho que ele trilhou. É dever do escritor fazer as pessoas sonharem. Não é dever do escritor escrever corretamente. Não é dever do escritor agradar a todos. Tão pouco ter uma regularidade na escrita. Mas o escritor é o arauto da esperança e é dever do escritor oferecer alguns segundos, minutos ou horas de entretenimento, de esperança ou simplesmente de anulação do mundo real. E para isso, é um trabalho de observação e de criatividade. Você pode reclamar da sua motivação de fazer isso, mas não culpar simplesmente a sua incapacidade de fazer isso em uma página em branco que não tem nada de ameaçadora.

Mais uma vez eu quero agradecer meus leitores e me desculpar. A página em branco não me ameaça. Mas toda vez que eu encaro os teclados, eu encaro a mim mesmo. Toda vez que escrevo eu não só modifico a vida dos outros, mas a minha mesmo. Me pergunto, será que vale  a pena?

28 comentários:

  1. Pelo menos pra mim tem valido tanto à pena que venho aqui religiosamente todos os dias desde 17/11/2010. Sou mais um louco.

    Abraço Vic.

    ResponderExcluir
  2. Se vale a pena pra você, eu não sei. Mas espero que sim.
    Um dia desses eu tava limpando meus RSS. Vi o seu lá, sem atualização desde 16/11/2010. Uma porra de promoção. Nada da história do Vic. Pensei em apagar, pensei "ele deve ter morrido com o pau na boca de alguma vagabunda".
    Mas persisti, e eis que me deparo com mais um texto.
    Agradeço tanto tempo de dedicação, e garanto que seus posts me ajudaram em algumas oportunidades.
    Força!

    ResponderExcluir
  3. Olha Vic, eu leio o blog a tanto tempo que nem lembro mais desde quando entro aqui, nunca comentei, pois prefiro ler o que você escreve! Mas depois de tanto tempo sem atualizações, me senti compelido a te dar uma força e dizer! Apenas escreva brother, eu gosto mesmo do que você escreve, me identifico muito com a vida auto destrutiva que você leva! Então, go on!

    ResponderExcluir
  4. Manda ver Vick .. vc é o cara!

    ResponderExcluir
  5. não sou escritor e ainda sim os teclados me assustam, o que te leva a auto destruição nos leva a risada e indentificação, continue colocando suas loucuras mesmo que elas tenham mudado, vou continuar a ler! Renato bigode

    ResponderExcluir
  6. desisto desse blog! puta q paril!

    ResponderExcluir
  7. Tive o prazer de conhecer seu blog no tempo que você ainda tava vendendo sua coleção de gibis, acompanhei todos os posts sobre seu problemas com drogas, fiquei puto quando censuraram o site e me envolvi com várias de suas histórias.

    O engraçado é que quando li seu post, me veio uma frase quase infantil:

    "Tudo vale a pena quando a alma não é pequena"


    Ou você é muito bom, ou meu desvio é gigante.

    ResponderExcluir
  8. Discordo quando você diz que um escritor que teme uma pagina em branco não é um escrito. Talvez você não tenha entendido como eu, eu escrevo muito e escrevo desde os meus 13 anos, tenho mais de cinco livros, e certamente se eu já vivesse disso eu estaria com muito mais livros, porém falta me o tempo, mais voltando ao que eu queria dizer, o fato de temer uma página em branco pra mim deve se ao fato de que, as vezes temos toda a história em nossa mente, as vezes eu costumo ter o incio o meio e o fim da história em minha mente, mais toda essa história que possuo não é nada mais que umas três páginas, e então ao ver a folha em branco eu tenho que desenhar sobre ela mais de mil palavras para compôr um livro por inteiro, então meu caro não é que falta criatividade, é que falta a habilidade com as palavras, e eu costumo dizer que toda pessoa que consegue ter uma grande habilidade com as palavras pode ser escritor, mais pouquíssimos isso é aqueles que tem o dom de verdade, só esses conseguem escrever livros de fantasia, de filosofia, contos, fábulas e entre outros mais.
    Então sim! Em meu ponto de vista um escritor pode sim alguma vez temer a pagina em branco, porque não tem todo o texto em sua mente, somente a história esta em sua mente.

    Acessem meu blogger: http://odiariononsense.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  9. http://portalpineal.blogspot.com/2011/09/hacia-el-misticismo-y-la-periferia.html

    “Cortázar es la prueba que necesitábamos –dice Harss en la introducción de la entrevista- de que existe una poderosa fuerza mutante en nuestra literatura que lleva hacia el misticismo y la periferia”.
    ..........................................................................................................
    ''Hay jirones, impulsos, bloques, y todo busca una forma, entonces entra en juego el ritmo y yo escribo dentro de ese ritmo, escribo por él, movido por él y no por eso que llaman el pensamiento y que hace la prosa, literaria u otra. Hay primero una situación confusa, que sólo puede definirse en la palabra; de esa penumbra parto, y si lo que quiero decir (si lo que quiere decirse) tiene suficiente fuerza, inmediatamente se inicia el swing, un balanceo rítmico que me lleva a la superficie, conjuga toda esa materia confusa y el que la padece en una tercera instancia clara y como fatal: la frase, el párrafo, la página, el capítulo, el libro''.
    JULIO CORTÁZAR

    ResponderExcluir
  10. Acho que vc tem assistido californication d++..não concordo em nd que vc escreveu..afinal, não adianta simplismente escrever, mas o pq de escrever e para q escrever.Se não se assusta com uma pagina em branco e pq vc não aprendeu absolutamente nd.Leia mais Henri Miller e menos sthefen king.O medo de uma pagina em branco e o mesmo medo que se sente antes de pular de para quedas.A adrenalina em alta.Se vc n tem medo antes de pular, vai simplismente presenciar a queda.Nada mais.

    ResponderExcluir
  11. Porra vic, cozinha as ideias aí! Na geladeira nada fica pronto não.

    ResponderExcluir
  12. Leonan Fernandes12 de maio de 2012 21:46

    Vic, durante muito tempo li e acompanhei seu blog. Não tenho intenção de voltar aqui porque acho que você já não escreveria mais nada. Você me divertiu muito com suas estórias e muito mais que isso abriu minha cabeça pra um mundo novo que eu nem pensava em conhecer. Eu queria te agradecer de verdade, dizer que você de um jeito ou de outro marcou a minha vida e de muitas pessoas. Que tudo dê certo pra você! Espero um dia ter a felicidade de ver mais coisas suas pelo mundo. Um grande abraço. Adeus!

    ResponderExcluir
  13. eh... O VIC foi pro saco.

    ResponderExcluir
  14. Olá,

    Temos satisfação em convidar-te para o lançamento oficial do livro
    "VIDA: Já perdoei erros quase imperdoáveis"
    Bate-papo e noite de autógrafos com o poeta Augusto Branco
    Data: 10/07/2012 Horário: das 19:00 às 21:30h
    Local: Mega Store da Livraria Cultura - shopping Fashion Mall
    Cidade: Rio de Janeiro - RJ === Entrada livre ===

    Esperamos você por lá!

    ResponderExcluir
  15. será q um dia ainda fico sabendo como acaba essa história? será?

    ResponderExcluir
  16. 2013 e ainda entro nessa bosta... é mole?

    ResponderExcluir
  17. Porra, mano. 2014. Eu sou doente.

    ResponderExcluir
  18. Caralho, metade de 2014 e eu ainda quero ver o final da historia =\

    ResponderExcluir
  19. Volta, volta, volta!!!

    ResponderExcluir